segunda-feira, 10 de junho de 2013

Alimentação Consciente não é comer ou fazer dieta

Alimentação Consciente não é comer ou fazer dieta

Alimentação Consciente não é comer ou fazer dieta


:: Conceição Trucom :: 
Dieta é um tipo de alimentação que se realiza por um tempo até ser alcançado determinado objetivo.
Comer, segundo o dicionário do Aurélio, é colocar qualquer coisa goela abaixo.
Alimentar-se é nutrir-se. É a forma que proporcionamos ao nosso organismo para ter vitalidade e saúde. Portanto, o ideal é que a alimentação seja consciente e balanceada, equilibrada e saudável.

A alimentação Balanceada parte de 3 conceitos básicos que respeitam a bioquímica da vida:
Cada refeição ou lanche deve ser nutricionalmente completo, isto é, fornecer quantidades adequadas de todos os nutrientes essenciais ao bom funcionamento do organismo.
Valorização da qualidade de cada alimento, não segundo sua quantidade de calorias, mas segundo sua qualidade nutricional, seu potencial de gerar saúde e harmonia metabólica no organismo.
A alimentação precisa ser consciente, não para atingir um propósito pontual (como as dietas), pois ela deve fazer parte de um propósito de vida.

O que é alimento? 
O alimento pode ser definido como qualquer substância sólida ou líquida que dá ao corpo energia e nutrientes para o crescimento, renovação e reprodução das células. Mas, além desta sua função primordial, o alimento desperta estímulos agradáveis ao paladar e tem um papel importante em muitos campos da vida.
Consumir o alimento de forma equilibrada e consciente é um grande segredo para a conquista de uma vida saudável e a desejada capacidade de meditar, relaxar, construir e crescer.
Mas sempre tem um começo: desvendar a magia dos alimentos.
Iniciemos por conhecer um pouco mais sobre as funções de cada um dos tipos de alimento e quais são as nossas reais necessidades.
Todos os alimentos são formados por elementos chamados nutrientes e se dividem em:
Macronutrientes - proteínas, carboidratos e gorduras;
Micronutrientes - vitaminas e sais minerais.

De acordo com a sua função no organismo, eles são classificados em três grandes grupos:

• construtores - constituídos fundamentalmente pelas proteínas, que entram na formação dos nossos tecidos e também na reconstrução dos tecidos gastos. Formam nossos órgãos, ossos, sangue, músculos, unhas, cabelos e pele.

• energéticos - como o nome diz, deles obtemos energia para todas as funções físicas: circulação, respiração, digestão, movimento. Quanto mais intensa a atividade física, mais alimentos desse grupo precisa ingerir. São os carboidratos e as gorduras.

• reguladores - eles controlam e auxiliam o metabolismo hormonal e dos outros nutrientes e são constituídos pelas gorduras nutricionais, vitaminas e pelos sais minerais. Como os alimentos fornecem pequenas quantidades desses elementos, a dieta diária deve ser sempre muito variada.

Proteínas
São cadeias de aminoácidos que formam os elementos estruturais das células e dos tecidos. Por isso, os aminoácidos são conhecidos como os elementos construtores do corpo. Existem 23 aminoácidos diferentes, dos quais oito (os aminoácidos essenciais) não podem ser fabricados pelo organismo. As proteínas que contêm boa quantidade desses oito aminoácidos são chamadas proteínas completas (carne, ovos, queijo e soja); as outras são as proteínas incompletas (nozes, frutos secos, feijões, arroz). Quando combinadas, as proteínas incompletas podem fornecer ao corpo todas as suas necessidades de aminoácidos.

Carboidratos
Simples ou complexos, eles são a principal fonte de energia do corpo. Os açúcares são carboidratos simples, e incluem a sacarose (açúcar de cana ou de beterraba), a glucose (frutas e mel), a frutose (frutas e vegetais) e a lactose (leite). Os amidos são carboidratos complexos e incluem os cereais, batatas e feijões. Quando não são refinados, eles contêm vitaminas, minerais e fibras. Os carboidratos complexos fornecem um suprimento constante de energia, enquanto os açúcares fornecem energia instantânea, mas que se dissipa rapidamente. O consumo excessivo de açúcar leva a baixos teores de energia, perdas minerais, baixa imunidade e tende a aumentar a absorção de gorduras.

Gorduras
Como os carboidratos, as gorduras também fornecem energia, mas tendem a ser absorvidas pelo corpo; são muito concentradas, e, portanto, têm muitas calorias. Elas são transportadoras das vitaminas, envolvem e protegem os órgãos internos. Dão sabor aos alimentos e saciam a fome. Consistem basicamente de ácidos graxos, que são essenciais para o bom funcionamento das células. Há três tipos de ácidos graxos: os saturados (gordura animal e de produtos lácteos), os monoinsaturados (azeite de oliva) e os poliinsaturados (óleos vegetais). Embora todas as gorduras tenham o mesmo valor calórico, elas são consideradas "boas" ou "más" de acordo com sua influência nas doenças do coração. Assirn, gorduras mono e poliinsaturadas são "boas", enquantto as saturadas são "más". O consumo excessivo de gorduras também está associado ao câncer.

Fibras
As fibras estão presentes nos alimentos de origem vegetal, como cereais integrais, sementes, feijões, frutas e hortaliças, e desempenham um papel importante na dieta. O consumo de fibras ajuda na digestão plena dos alimentos e protege contra a elevação do nível de colesterol no sangue, contra alguns tipos de câncer, pedras na vesícula e obesidade.
O consumo recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) é de 30 gramas de fibra/dia. Importante lembrar que o sucesso de uma dieta rica em fibras depende também da ingestão adequada de líquidos, que deve ficar em torno de 2 litros/dia.

Água
Cerca de 60% do corpo humano consiste de água, na forma de sangue, linfa, líquido crânio-sacral, líquidos intracelulares e intersticiais. Tal volume hídrico fornece o meio no qual as substâncias químicas são transportadas – nutrição, trocas e eliminação. Os líquidos que bebemos garantem a maior parte da água do corpo; o restante vem dos alimentos. A carência de água pode provocar prisão de ventre, acúmulo de toxinas e mau funcionamento de vários órgãos. 

Fonte: Somos todos Um